Mercado de luxo enxerga potencial em mulheres solteiras e sem filhos

Um levantamento feito pela Shopper Experience aponta que mulheres solteiras sem filhos, de alto poder aquisitivo e com faixa etária entre 30 e 45 anos – chamadas de panks nos Estados Unidos – formam um filão pouco explorado pelo varejo de luxo no Brasil. De acordo com a pesquisa, 79% das entrevistadas compram produtos infantis de alto valor agregado pelo menos uma vez por mês.

No grupo de 555 mulheres solteiras entrevistadas, 18% fazem esse tipo de compra semanalmente e 3% o fazem duas vezes por semana. Entre os objetos mais procurados estão roupas e brinquedos. Os gastos costumam ficar acima de R$ 350.

Segundo a coordenadora da pesquisa, Stella Kochen Susskind, o potencial deste nicho é grande. “No Brasil, a tendência ainda não despertou atenção de gestores de marcas e produtos, embora o país já conte com uma legião de panks”, explica.

Para ela, esse nicho deve ficar ainda mais aquecido nos próximos anos. “O último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que entre as brasileiras que estão prestes a completar 50 anos – fim do ciclo reprodutivo -, o grupo que chegou a essa idade sem filhos aumentou 20% na última década; o número de famílias brasileiras sem filhos cresce mais do que as com crianças”.

Contraste com mercado estrangeiro

Segundo a Shopper Experience, os Estados Unidos são pioneiros na exploração do potencial econômico das mulheres solteiras e sem filhos.

O portal americano Savvy Aunt, um dos pioneiros na categorização das panks, afirma que nos Estados Unidos as mulheres solteiras sem filhos representam um potencial de consumo anual de aproximadamente US$ 9 bilhões por ano. Os dados se baseiam em uma pesquisa feita em conjunto com a consultoria KRC Research.

Os produtos comprados também são mais diversificados do que no Brasil. Nos Estados Unidos, cerca de 34% das panks – que costumam ser tias e madrinhas dos presenteados – ajudam a pagar pela educação das crianças.

Stella ressalta que o mercado brasileiro possui algumas diferenças em relação ao norte-americano. “Uma diferença substancial é a categoria de produtos. Enquanto as estrangeiras preferem grifes de roupas infantis, as brasileiras adoram comprar brinquedos caros e artigos cosméticos como perfumes, xampus, fraldas e similares”, conclui a coordenadora da pesquisa.

Fonte: DCI
Por: GS&MD

Enhanced by Zemanta
By | 2017-05-28T21:52:29+00:00 11 outubro, 2013|Categories: Consumo, Marca, Mercado, Pesquisas, Varejo|Tags: , , |0 Comments

About the Author:

Mestre em Economia, especialização em gestão financeira e controladoria, além de MBA em Marketing. Experiência focada em gestão de inteligência competitiva, trade marketing e risco de crédito. Focado no desenvolvimento de estudos de cenários para a tomada de decisão em nível estratégico. Vivência internacional e fluência em inglês e espanhol. Autor do livro: Por Que Me Endivido? - Dicas para entender o endividamento e sair dele.

Leave A Comment

Avada WordPress Theme