Consumidores brasileiros estão entre os menos confiantes da América Latina

Pesquisa da Nielsen mostra que os brasileiros só perdem para os venezuelanos quando o assunto é confiança na economia. Confira os motivos.

O brasileiro está entre os menos otimistas dos países latino americanos em relação às perspectivas de empregos, finanças pessoais e intenção de gastos. As informações compõem o índice de confiança do consumidor, realizado pela Nielsen.

Dos sete países latino americanos avaliados, apenas o Brasil se manteve menos confiante a situação econômica do país em comparação ao quarto trimestre de 2016, período do último levantamento.

Os países cujos moradores estão mais otimistas são, em ordem, Colômbia e Peru, seguido de México, Argentina, Chile e Venezuela.

Percepções

A maioria dos brasileiros (89%) continua achando que o País passa por uma recessão. O número, no entanto, já é menor do que o apresentado no último levantamento, quando 91% achava que o Brasil estava em uma péssima situação.

Mesmo com a pequena melhoria de percepção, o índice de confiança do Brasil só perde da Venezuela, onde 97% dos habitantes acreditam que estão em uma recessão econômica feroz.

Entre os brasileiros que acreditam que estão passando por uma recessão, 51% acha que a situação não vai melhorar nos próximos 12 meses. Outros 29% dizem que não sabe o que vai acontecer no futuro e apenas 20% defende que haverá algum progresso na economia do País.

Preocupações

A quantidade de brasileiros preocupados com a instabilidade política também cresceu. A situação econômica foi o principal receio de 42% dos brasileiros, um crescimento de 4% em relação ao último trimestre do ano passado.

Reflexos

Para conseguir fechar a conta, 83% dos entrevistados disseram ter adotado mudanças em seus hábitos de consumo. Os principais cortes foram no entretenimento fora do lar (61%) e nas compras de roupas novas (56%).

Os dispositivos tecnológicos, desejo de consumo dos brasileiros, também estão sendo menos substituídos. Atualmente 50% dos brasileiros dizem que não pretendem trocar computadores e celulares por versões mais novas.

Já o dinheiro que sobrou no segundo trimestre de 2017, após o pagamento das contas básicas, foi usado como entretenimento fora do lar (38%) ou para quitar dívidas (32%).

Apesar disso, os brasileiros foram os que menos colocaram dinheiro na poupança entre os demais latinos. Metade dos entrevistados de Peru, Colômbia e México disseram ter poupado dinheiro remanescente, já no Brasil esse percentual foi apenas de 12%.

Economia do futuro

Os brasileiros já decidiram o que pretendem economizar quando as suas próprias condições financeiras melhorarem. Os combustíveis e eletricidades ocupam a primeira posição (40%), seguido por cortar despesas com telefone (32%) e gastar menos com roupas (27%).

Por: Portal No Varejo

About the Author:

Mestre em Economia, especialização em gestão financeira e controladoria, além de MBA em Marketing. Experiência focada em gestão de inteligência competitiva, trade marketing e risco de crédito. Focado no desenvolvimento de estudos de cenários para a tomada de decisão em nível estratégico. Vivência internacional e fluência em inglês e espanhol. Autor do livro: Por Que Me Endivido? – Dicas para entender o endividamento e sair dele.

Leave A Comment

Avada WordPress Theme